Publicidade

Diário Liberdade
Domingo, 15 Julho 2018 11:53 Última modificação em Domingo, 22 Julho 2018 19:54

EUA: "Sairemos de al-Tanf e do norte, se Irã sair da Síria"

Avalie este item
(1 Voto)
País: Síria / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Blog de Elijah J Magnier

[Elijah J Magnier, Tradução da Vila Vudu] Alto funcionário do governo sírio informa que "EUA enviaram mensagem ao presidente Bashar al-Assad da Síria, para informar sobre o que deseja o establishment dos EUA. Segundo a mensagem, haveria um projeto de Israel compatível com o projeto de Donald Trump de retirarem as respectivas forças da Síria com o mínimo dano possível. Trump gostaria de evitar o destino dos soldados norte-americanos durante os anos de Georges Bush, quando milhares de soldados norte-americanos foram mortos em ação".

✍️Inscreva-se no canal do Diário Liberdade no Youtube

Segundo a mesma fonte envolvida em supervisionar toda a operação militar para os últimos anos de guerra na Síria, "o presidente Assad respondeu com absoluta clareza ao establishment norte-americano. "A Síria" – disse Assad – "está decidida a libertar todo o território sírio sejam quais forem as consequências. Todos sabemos que há um preço a pagar pela libertação do norte da Síria, ainda ocupada por EUA e Turquia, forças que não foram convidadas pelo governo sírio. É preço que pagaremos, se for preciso pagar."

A mensagem dos EUA é clara:"Os EUA deixarão a passagem de fronteira de al-Tanf e o nordeste da Síria, em al-Hasaka e Deirezzour o mais rapidamente possível. A única condição é que Rússia e Síria garantam a total retirada de todas as forças iranianas, do Levante. Os EUA estão prontos para abandonar os curdos e deixar que continuem as próprias negociações com Damasco. O establishment norte-americano reconhecerá a autoridade de Assad sobre a Síria, mas o Irã tem de sair".

Assad respondeu "As forças iranianas e seus aliados vieram para a Síria por convite oficial do governo central e deixarão a Síria quando esse governo solicitar àquelas forças aliadas que saiam, e só depois de todos os terroristas terem sido erradicados do Levante".

"Os norte-americanos" – disse Assad – "vieram à Síria sem permissão e são hoje forças ocupantes em nosso território. É nosso dever portanto expulsá-los a qualquer preço. Os EUA não obterão por negociação e paz o que não conseguiram nem com sete anos de guerra".

A Rússia fez a função de carteiro, nessa troca de mensagens entre EUA e Assad. Mas o presidente Assad informou aos norte-americanos que o Irã não tem qualquer interesse em permanecer na Síria, tão logo sejam exterminados todos os terroristas takfiris, e os aliados iranianos tenham cumprido a missão para a qual foram chamados à Síria.

Resumo da história é que Assad e aliados veem a retirada de EUA-França-Reino Unido como resultado realmente excelente. Além do mais, ambos, Irã e Hezbollah, veem a própria retirada como realidade e como necessidade, tão logo Assad possa dispensar a contribuição desses dois aliados. Mas ainda há a al-Qaeda no Levante e outros jihadistas no norte, controlados pela Turquia. E também há ISIS no nordeste, dentro da área controlada pelos EUA. Só serão eliminados se o Exército Árabe Sírio e aliados chegarem até eles e lhes derem combate.

Desse ponto de vista, o 'acordo' proposto pelos EUA é possível e considerado razoável por Assad e aliados –, mas só depois que o último soldado dos EUA retirar-se da Síria.

A Rússia atuará como avalista dos próprios aliados, e eles se comprometerão a deixar a Síria tão logo os jihadistas deixem de ser uma ameaça contra o governo central.

Damasco e Teerã veem com interesse esse 'acordo', mas isso não significa que confiem num establishment norte-americano liderado por presidente que revoga unilateralmente acordos assinados, como acaba de fazer no caso do acordo nuclear iraniano, que os EUA assinaram. Mas Moscou, Teerã e Damasco sabem que, em termos realistas, Trump não tem como manter seus soldados na Síria por muito tempo, sobretudo quando o sul da Síria está tão próximo de ser libertado.

Israel, é claro, treme – é o que diz a mesma fonte – ante a ideia de o Irã poder criar na Síria uma cópia do Hezbollah libanês, porque nesse caso a ameaça contra Israel seria muito maior ao longo de fronteira muito mais longa, de Naqoura (Líbano) diretamente até as colunas sírias do Golan ocupadas por Israel.

Fato é que o presidente Assad entende que a guerra real chegou ao fim: agora se trata de lidar com apenas dois países, não mais com centenas de grupos disparatados. O presidente sírio crê que a Síria triunfou, como país multiétnico, secular e multicultural. Não há dúvida de que, sim, Assad venceu a batalha contra a "mudança de regime" e a divisão do Levante.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar