Publicidade

Diário Liberdade
Domingo, 30 Setembro 2018 14:01 Última modificação em Quinta, 11 Outubro 2018 04:03

Theresa May e o labirinto do Brexit

Avalie este item
(1 Voto)
País: Reino Unido / Reportagens / Fonte: Prensa Latina

A menos de 200 dias da saída do Reino Unido da União Europeia (UE), prevista para o dia 29 de março de 2019, o descontentamento e a insegurança crescem nesse país, bem como a possibilidade da destituição de Thereza May e de um segundo referendo.

Diversas são as opiniões dos analistas sobre o desvincule do Brexit, mas 'incerteza' é a palavra mais mencionada pelos diários depois de que o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, pedisse ao governo britânico repensar e reelaborar suas propostas sobre assuntos essenciais para a assinatura de um acordo final.

O político polaco assegurou que a fronteira com Irlanda e o marco para a cooperação económica -os tópicos mais importantes e complicados- precisam ser revisados e renegociados.

Durante uma cimeira informal em Salzburgo, Áustria, Tusk indicou ademais que o prazo para fechar um pacto sobre o divórcio vence em outubro e só convocar-se-á a uma cimeira extraordinária em novembro se estão as condições dadas para formalizar o convênio.

A forte rejeição dos 27 à estratégia traçada pela primeira ministra britânica foi considerado um ato de humilhação à chefa de Governo, quem mostrou-se profundamente indignada e considerou inaceitável que o bloco recuse o documento sem oferecer explicações detalhadas nem fazer contrapropostas.

O texto da líder conservadora, conhecido como Plano de Chequers, propõe a criação de uma área de livre comércio para bens, sujeita a uma espécie de regulamento comum que manterá ao Reino Unido alinhado aos regulares e regulamentos da UE.

Segundo Tusk, o anterior não é viável porque viola os princípios de funcionamento do bloco, o qual faz a cada vez mais provável 'uma separação sem convênio'.

May criticou a postura assumida pela aliança comunitária e assegurou que não aceitará nenhum acordo que atente contra a integridade de seu país ou vá na contramão dos resultados do referendo efetuado em junho de 2016, onde 17 milhões 410 mil 742 britânicos (52%) apostaram por abandonar a UE.

'Sempre disse que é melhor uma saída sem convênio que assinar um mau pacto', assegurou depois de exigir respeito por parte de seus sócios europeus e afirmar que as conversas se encontram num ponto morto.

No entanto, o problema vai para além das diferenças com Bruxelas: o Chequers não é criticado somente pelo bloco comunitário, sina também por grupos eurocépticos dentro e fora do Partido Conservador.

De facto, a aprovação desse plano em julho deste ano provocou o despedimento do então ministro de Relações Exteriores, Boris Johnson, e do titular britânico para o Brexit, David Davis.

Com as bichas de sua própria formação divididas e descontentas, May enfrenta-se a uma UE pouco colaborativa, mas também a uma oposição interna com uma postura mais definida e perigosa.

Durante sua Conferência Anual, celebrada de 22 a 26 de setembro, o Partido Trabalhista aprovou uma moção que dispõe a rejeição a todo convênio proposto pela chefa de Governo e a convocação a eleições antecipadas.

De não conseguir a celebração das eleições, os seguidores de Jeremy Corbyn apoiarão 'todas as opções que continuem sobre a mesa, incluída a campanha por uma segunda consulta popular sobre o Brexit'.

Ainda que não se precisa se o referendo deverá incluir a possibilidade de permanecer na aliança comunitária, o secretário dessa organização para a saída da UE, Keir Starmer, indicou que essa alternativa não pode ser descartada.

'O Parlamento terá a primeira palavra e, se produz um impasse, faremos campanha por um voto popular. Ninguém pode excluir a continuidade no bloco como uma opção', assegurou.

Por sua vez, o líder da formação, Jeremy Corbyn, disse aceitar a decisão dos filiados, mas não aclarou qual seria sua postura numa possível votação sobre o Brexit.

Ainda que também divididos, os trabalhistas têm ante sim a possibilidade de desestabilizar aos conservadores, sem maioria absoluta no Parlamento e dependentes do Partido Unionista Democrático, de Irlanda do Norte.

Por se fosse pouco, ao redor de 50 deputados conservadores, membros do chamado Grupo Europeu de Investigação, consideram ineficaz o plano de May para sair da UE e acham que seu despedimento é necessário.

Ditos políticos participaram a inícios de setembro numa reunião para analisar os possíveis palcos em caso que chegue-se ou não a um acordo final sobre o Brexit e para determinar quando e como interromper o mandato da primeira ministra.

Conquanto alguns conservadores asseguram que é um erro mudar a liderança da formação e do Reino Unido nestes momentos, parte dos presentes no encontro indicaram que enviaram cartas à direção de seu grupo parlamentar para expressar seu desacordo com a direção do país.

Segundo os regulamentos, para realizar uma votação sobre a mudança de Governo é necessário que May renuncie ou que 15% cento dos deputados conservadores (48, neste caso) exija uma moção de censura em sua contra.

Com esta complexa malha de fundo, os analistas consideram difícil realizar prognósticos acertados sobre o futuro do Reino Unido.

Um acordo pobre e pouco benéfico para o país, uma separação sem convênio, o adiamento dos prazos estabelecidos, uma revolta no Parlamento britânico e a convocação a eleições gerais, um segundo referendo sobre o Brexit ou a cancelamento do processo de saída, são algumas das possibilidades.

Recentemente, empresários estadunidenses perguntaram-lhe a May quanto poderia piorar a situação.

'Em relação ao Brexit, o futuro é incerto, mas as duas partes querem um bom acordo', respondeu a chefa de Governo, reforçando o estado de insegurança existente.

Segundo o Centro Nacional de Investigação Social do Reino Unido, 52% dos cidadãos recusaria a saída da UE se celebrasse-se uma votação ao respeito. Enquanto, uma pesquisa da assinatura YouGov indica que 66% dos britânicos acham que a administração conservadora está a manejar mau o divórcio da comunidade regional.

De acordo com estudiosos do tema, como o jornalista espanhol Nacho Alarcón, outubro é um mês definitivo para a primeira ministra, quem 'verá um céu mais desocupado, se consegue sobreviver' à conferência de seu agrupamento e à reunião com os líderes do bloco.

No entanto, em critério de observadores o problema do Brexit não se soluciona com novas promessas ou uma mudança de direção. Até o momento, nenhum dos grupos desconformes tem apresentado um candidato para substituir a May ou um plano que convença aos sócios europeus. Por outra parte, teria que ver se um novo dirigente é capaz de enfrentar o caos gerado e achar melhores respostas.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar