Publicidade

Diário Liberdade
Quarta, 24 Julho 2019 13:37 Última modificação em Quarta, 24 Julho 2019 13:40

O Irã, as mulheres e o imperialismo ocidental

Avalie este item
(0 votos)
Jones Manoel

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

Uma página muito boa de esquerda (Imagem e História) publica uma foto de uma mulher de biquíni numa praia do Irã e coloca a legenda mais ou menos assim “Em 1960, antes da Revolução Islâmica”.


É muito comum esse tipo de “crítica” ao Irã. Eu, sinceramente, não acho esse tipo de abordagem aceitável. Ela fortalece um ocidentalismo hipócrita que acredita ter uma superioridade moral e civilizatória frente ao “orientalismo” islâmico. Pior: é uma simplificação grosseira da história.

Explico em poucas linhas.

Todos os projetos políticos nacional-populares modernizantes total ou parcialmente laicos do Oriente Médio e África foram combatidos pelas potências imperialistas usando, dentre outros instrumentos, grupos fundamentalistas islâmicos. O imperialismo ocidental, com destaque para Inglaterra e EUA, nunca teve pudores em armar, treinar, financiar e oferecer cobertura diplomática para o pior esgoto que se possa imaginar.

O caso da paixão estadunidense pelo Talibã (chamados de “Guerreiros da Liberdade” pela mídia ocidental) é apenas o exemplo mais famoso, mas está longe de ser uma situação isolada.

Quando o Irã buscou construir um projeto nacionalista e tendencialmente laico liderado por Mohammed Mossadegh, o resultado foi um golpe de estado com articulação direta da CIA.

A história do Irã pós-golpe não é uma trajetória de direitos humanos e respeito às liberdades individuais das mulheres.

Durante a ditadura pró-Ocidental do Xá Reza Pahlevi, cresceu a pobreza, miséria, desigualdade, entrega dos recursos naturais, prostituição, violência e afins. E não existe liberdade para as mulheres onde elas não têm emprego, saúde, educação etc. etc. etc.

A Revolução Islâmica, em muitos aspectos, significou regressões em termos de liberdades individuais. Mas ela é produto do histórico de agressões imperialistas. É uma reação em bloco e compreensível a tudo que pareça com imposição cultural ocidental.

Mesmo assim, o Irã tá longe de ser o maior exemplo de opressão sobre as mulheres do Oriente Médio e dos países de maioria islâmicas. No ensino superior, por exemplo, as mulheres são um pouco mais que 50%. Estão inseridas no mercado de trabalho e têm vários direitos civis reconhecidos.

irEstá longe, bem longe, do ideal, mas não é comparável com a situação terrível da reacionária monarquia da Arábia Saudita. E pior: esse “imperialismo dos direitos humanos” que usa a pauta dos direitos das mulheres para agredir, isolar e difamar o Irã, não ajuda em nada a luta das mulheres no país (que existe!).

Ao contrário. Ajuda na difusão de um difuso sentimento antiocidental em bloco. O que eles querem mesmo é a volta da época do Xá quando o país era um grande prostíbulo do Ocidente e as mulheres tinham a liberdade de serem prostitutas.

A melhor forma de ajudar a luta pela emancipação da mulher no país é não aceitar, normalizar, esse discurso intervencionista e ocidentalista. É proclamar o direito do país à sua soberania nacional e da auto-organização, sem interferência do onguismo gringo, das mulheres do país.

Fonte: Disparada.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar