Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 25 Julho 2016 19:16 Última modificação em Terça, 26 Julho 2016 16:10

Os ingleses destruíram em 1814 a Casa Branca e o Capitólio durante a Guerra Anglo-Americana

Avalie este item
(1 Voto)
Miguel Urbano Rodrigues

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

Os historiadores dos Estados Unidos dedicam atenção mínima à guerra anglo americana de 1812/14. A bibliografia de qualidade sobre o tema é aliás escassa.


Para o orgulho americano o desfecho do conflito é muito doloroso.

Para combater Napoleão, a Inglaterra tinha imposto a proibição de relações comerciais com a Europa. A medida impedia as exportações de algodão dos EUA para França. As tentativas de furar o bloqueio britânico não tiveram êxito. A Royal Navy, que desde Trafalgar dominava o Atlântico, afundava ou apreendia os navios americanos.

Diário Liberdade em campanha de financiamento. Doa e concorre a prémios!

O governo do presidente Madison, na esperança de conquistar o Canadá, decidiu em l812 declarar guerra à Inglaterra, mas as forças invasoras, mal comandadas, foram repelidas pelas fracas guarnições britânicas.

Em abril de l814, apos a abdicação de Napoleão, enviado para a Ilha de Elba, a Inglaterra decidiu aplicar um castigo exemplar aos EUA. Um pequeno exército de veteranos e uma grande esquadra de 17 navios de linha, sob o comando do almirante Alexander Cochrane, foram mobilizados para combater os EUA.

A armada inglesa destruiu sem dificuldade os poucos navios americanos que ousaram enfrentá-la.

Diferentes portos foram bombardeados e o principal desembarque de tropas terrestres-4 000 homens – ocorreu em Benedictine, perto da capital americana.

O mal armado exército da União que tentou impedir o seu avanço foi aniquilado em Bladensburg. Os ingleses ocuparam a capital quase sem resistência.

Washington era na época uma cidade insalubre , rodeada de pântanos. Os únicos edifícios em pedra importantes eram a Casa Branca, o Congresso, e os de algumas secretarias de Estado.

Foram esses precisamente os alvos da soldadesca inglesa.

Os invasores cometeram atrocidades e roubos e incendiaram a residência do Presidente Madison, e o Capitólio, então sem a atual cúpula. A biblioteca do Congresso, com 3000 volumes, foi destruída.

Terminada a operação punitiva, as tropas britânicas abandonaram a cidade no dia seguinte.

A OCULTAÇÃO DA HISTÓRIA

A paz foi assinada em Gand, na Bélgica, a 24 de Dezembro de l814.

A Casa Branca e o Capitólio foram reconstruidos, mas com projetos que alteraram a fisionomia original. A guerra deixou por muito tempo sequelas inapagáveis.

O país cresceu. Em l823 tinha 10 milhões de habitantes, mas 1 600 000 eram escravos. Ganhou ambição de grande potência. O presidente Monroe, em resposta ao projeto europeu de recolonização das antigas colónias da Espanha, proclamou a Doutrina a que ficou ligado o seu nome: A América para os Americanos. Mas o desafio era uma bravata. Os EUA não tinham exercito e marinha capazes para enfrentar as forças da Santa Aliança – Rússia, Áustria, Prússia, França - que pretendiam restabelecer o poder da Espanha nas repúblicas latino americanas libertadas por Bolivar e San Martin.

Mas Monroe sabia que o governo britânico, cuja marinha tinha o domínio absoluto dos oceanos, se opunha ao sonho da Santa Aliança.

A famosa Doutrina não impediu alias que a Inglaterra, então primeira potência mundial, interviesse múltiplas vezes na América Latina. Isso ficou transparente em 1850 quando os EUA foram forçados a assinar o chamado Tratado Clayton – Bulwer considerado por historiadores americanos o mais humilhante da sua história.

O ouro da Califórnia foi a origem do projeto de um canal na Nicarágua que ligaria o Atlântico ao Pacifico, evitando a longa viagem pelo Cabo Horn, no sul da Argentina.

O governo americano comprou as terras por onde passaria o Canal e já tinha a maquinaria na região quando a Inglaterra enviou um ultimato a Washington exigindo o cancelamento imediato da obra porque atravessaria territórios do «Rei dos Misquitos (uma tribo da região) aliado do governo de Sua Majestade Britânica”. Uma esquadra foi enviada para a costa atlântica da Nicarágua.

Os EUA não dispunham de força naval em condições de se opor ao ultimato. E assinaram o Tratado que sepultou o ambicioso projeto do Canal interoceânico através da Nicarágua..

No inicio do seculo XX, os EUA construíram o Canal do Panamá.

Transcorridos 160 anos, o projeto do canal através da a Nicarágua foi agora retomado pela China.

Recordo o episódio, porque hoje, quando a Inglaterra é um submisso aliado dos Estados Unidos, em ambos os países tudo se faz para apagar a hostilidade que os separou ao longo do seculo XIX.

No imaginário americano permaneceu por muito tempo a memória do incendio da Casa Branca e do Capitólio. Não esqueci que numa visita ao Congresso americano, quando era deputado na Assembleia Parlamentar da UEO, perguntei ao senador Edward Kennedy se o Capitólio era muito diferente do edifício original. Limitou-se a responder laconicamente: «Foi reconstruido».

Junho de 2016

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar