Publicidade

Diário Liberdade
Quarta, 25 Janeiro 2017 13:57 Última modificação em Sábado, 28 Janeiro 2017 15:01

Ativistas denunciam violência praticada pela oposição venezuelana

Avalie este item
(1 Voto)
País: Venezuela / Repressom e direitos humanos / Fonte: Diário Liberdade

Aproveitando o encontro de diversos líderes de governo e de movimentos sociais na V Cúpula da Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (CELAC), na República Dominicana, ativistas venezuelanas denunciam a violência praticada pela oposição ao presidente Nicolás Maduro.

Em 2014, protestos opositores agitaram o país sul-americano exigindo a renúncia do presidente eleito Nicolás Maduro. As manifestações ficaram conhecidas como “guarimbas”, pois consistiam em barricadas, incêndios, armadilhas e utilização de armas brancas e de fogo contra instalações públicas e simpatizantes do chavismo.

Foram contabilizadas 43 mortes, sendo seis guardas, dois policiais e um funcionário do Ministério Público, além de muitos militantes apoiadores de Maduro e da Revolução Bolivariana. Cerca de 850 pessoas também resultaram feridas.

A partir desses acontecimentos, foi criado o comitê de vítimas das guarimbas, que vem lutando desde então para a punição dos criminosos e para que a comunidade internacional saiba o que aconteceu e continua acontecendo realmente na Venezuela, pois a oposição continua ainda hoje organizando atos violentos para desestabilizar o governo.

Durante aqueles protestos de 2014 “foram criados grupos para assassinar qualquer pessoa”, denunciou à Telesur Zoraida Bravo, uma das representantes do comitê. “Essa é a nossa luta, para que as pessoas saibam o que aconteceu na Venezuela, o que fizeram [os opositores] e o que continuam fazendo.”

O principal organizador e incentivador dos atos violentos durante as manifestações antigovernamentais foi o político Leopoldo López, líder do partido de direita Voluntad Popular. Ele foi processado e preso por causa disso, e é aclamado pela oposição e pelos meios de comunicação como um herói e preso político.

“Leopoldo López se converteu no ícone da perseguição política, enquanto há videos e uma série de documentos que provam sua incitação à violência”, argumentou a defensora dos direitos humanos e candidata à presidência da Colômbia Piedad Córdoba, também presente na Cúpula da Celac.

Ela comparou a situação dos direitos humanos na Venezuela e em seu próprio país e o tratamento dado pelas autoridades internacionais e os meios de comunicação.

“Na Colômbia existem 8 mil presos políticos, em condições subumanas. Muitos se suicidaram e muitos foram praticamente condenados à morte porque não se respeita suas condições de saúde, e não se diz absolutamente nada sobre isso”, declarou.

A oposição na Venezuela não parou com suas ações, mesmo após o início dos diálogos de paz implementados pelo governo para tentar uma conciliação mínima que acabe com as tentativas desestabilizadoras.

No início desta semana, manifestantes de direita pediram a antecipação das eleições presidenciais que ocorrerão em 2018.

Nesta quarta-feira (25), a coligação Mesa de Unidade Democrática (MUD) rejeitou a retomada de diálogo com o governo, em nova proposta entregue pela União das Nações Sul-americanas (UNASUL) e pelo Vaticano, que são os mediadores do diálogo.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar