Publicidade

Diário Liberdade
Quinta, 30 Novembro 2017 13:02 Última modificação em Quarta, 06 Dezembro 2017 17:09

As bases do nosso patriotismo

Avalie este item
(1 Voto)
País: Cuba / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Granma

[Enrique Ubieta Gómez] No final do século 19, era já inimaginável uma revolução social autêntica que não situasse seus sonhos de redenção no ser humano, uma atalaia que ultrapassa os limites da raça e da nação. A democracia grega excluía os escravos e as mulheres e - sem se estender a exemplos de outras épocas -, os ideólogos da revolução burguesa também desconsideraram os povos colonizados. Mas nem estes, nem os trabalhadores e os camponeses da metrópole podiam emancipar-se sem uma concepção humanista que abrangesse todos, inclusive os exploradores e os colonizadores. Quando Napoleão Bonaparte aceitou, perante a beligerância dos insurgentes, a abolição da escravidão na colônia de São Domingos e somente nela, Toussaint Louverture, um negro analfabeto que tinha sido escravo, protestou:

"O que queremos não é uma liberdade de circunstância concedida somente a nós", disse ele com uma sagacidade política, alheio a qualquer posição pragmática e "realista", o que queremos é a adoção absoluta do princípio de que todo homem nascido vermelho, negro ou branco não pode ser propriedade de seu vizinho. Hoje somos livres porque somos os mais fortes. O cônsul mantém a escravidão na Martinica e na Ilha Bourbon; portanto, seremos escravos quando ele for o mais forte ».

Em 1871, José Martí, com apenas 18 anos, denunciou a cegueira dos herdeiros do Iluminismo que defendiam na Espanha os direitos que negavam nas suas colônias:

"(...) mesmo os homens que sonham com a federação universal, com o átomo livre dentro da molécula livre, com o respeito pela independência de outros como base de sua própria força e independência, anatematizaram o pedido dos direitos que pedem, sancionaram a opressão da independência que pregam e santificaram como representantes da paz e da moral, a guerra do extermínio e o esquecimento do coração. (...) Eles pediram ontem, eles pedem hoje, a maior liberdade para eles, e hoje eles aplaudem a guerra incondicional para sufocar a petição pela liberdade dos outros ".

Em 1895, o próprio Martí legou um conceito básico para os revolucionários cubanos: "Pátria é humanidade, é a parte da humanidade que vemos mais de perto e na qual nascemos". A independência de Cuba garantia o espaço físico e moral para uma república de justiça e solidariedade, com os pobres da Terra, embora Martí, como Bolívar, também sonhasse com uma pátria maior, que integrasse todos os povos que habitam do Rio Grande à Patagônia.

Nenhum outro marxista latino-americano era mais martiano do que Fidel Castro. Martí e Fidel foram os únicos líderes, na curta e intensa história de Cuba, que alcançaram a unidade necessária das forças revolucionárias; uma unidade alheia aos pactos conciliadores, capazes de desmantelar os consensos da dominação - aqueles que proclamavam a incapacidade do cubano, a inferioridade do negro e da mulher, a inevitabilidade da dependência - e fundando aqueles de emancipação, com homens e mulheres virtuosas que superaram a si mesmas. Fidel, como Martí, teve fé na vitória, em seu povo, nas razões da luta, na possibilidade do que parecia impossível. Ele colecionou as duas tradições emancipadoras, a do mundo colonial e neocolonial - uma das principais figuras foi nosso Martí - e a dos explorados do capital, do pensamento marxista e da Revolução de Outubro, cujo centenário acabamos de comemorar.

A Revolução Cubana de 1959 não podia pensar em si mesma, mas como parte da rebelião dos colonizados e explorados do mundo, como um passo na difícil luta pela emancipação dos seres humanos. É verdade que as revoluções não são exportadas, nascidas de condições irrepetíveis e próprias, mas o conceito de solidariedade, aliado ao da justiça, é básico no socialismo e não pode ser um bem que obedece a qualquer limite: nem o da casa nem o do bairro ou o do país.

A Cuba de Fidel exerceu a solidariedade dos irmãos, sem condições nem cálculos geopolíticos, e não parou em conveniências que violassem seus princípios; Este foi o caso na Ásia, na África, na América Latina. Nós, cubanos, doamos sangue em massa para o Vietnã atacado, demos uma libra de nossa cota de açúcar para o Chile de Allende, lutamos com aqueles que lutaram por suas cidades em outras terras do mundo, e muitos foram os que morreram no caminho; avançamos, lado a lado, junto com os sandinistas e os bolivarianos vitoriosos, na construção do novo país. Construímos escolas, hospitais, aeroportos, alfabetizamos, ajudamos comunidades pobres em esportes e cultura, salvamos ou curamos centenas de milhares de seres que careciam de atendimento médico. O internacionalismo foi um princípio inviolável exercido com um sentido claro do momento histórico.

A Cuba de Fidel não parou perante considerações ideológicas, nem perante regimes oprobriosos que conspiraram para derrubá-la e enviou médicos, por exemplo, à Nicarágua de Somoza, quando o terremoto de 1972 devastou a capital desse país. Criou um contingente que tem o nome de um internacionalista nova-iorquino de nossa primeira guerra de independência, para ajudar o povo estadunidense após o furacão Katrina. A única ideologia que exerciam não se articulava em palavras: estava no ato, no desinteresse, na entrega. Duzentos e cinquenta e seis trabalhadores da saúde cubanos assistiram aos pacientes com Ébola na pior epidemia desse vírus letal registrado na África Ocidental e no mundo. Lá encontraram-se com médicos africanos, dos países afetados e de outras nações do continente, que estudaram em Cuba, alguns inclusive a partir do ensino médio e pré-universitário, como milhares de outros jovens árabes e latino-americanos.

Quando o furacão Mitch devastou o Caribe centro-americano em 1998 - outro furacão ideológico paralisou a esquerda internacional, após o colapso do chamado "bloco socialista" - Fidel relançou o internacionalismo e com ele, a certeza de que outro mundo melhor é possível se houver vontade política. Cada brigada médica que viajava a um país em situação de desastre ou que pedia nossa ajuda era despedida por ele, que insistiu no respeito às tradições, crenças e credos políticos dos pacientes que atenderiam.

Fidel na verdade reativava com isso a vocação de solidariedade de qualquer revolução autêntica após uma década de resistência sombria e luminosa, a da década de 1990 - a solidariedade fundamental, apoiada por um gerenciamento de crises que sempre evitou prejudicar os mais pobres e que sobrevivia entre blecautes e escassez, em ações tão simples e significativas como a chamada "boleia" nas ruas da cidade, e expandiu-a para fora, com o Plano Integral de Saúde na América Central e no Haiti (mais tarde, a Venezuela seria incorporada) e para o interior, com a chamada Batalha das Ideias, que visava resgatar jovens de segmentos menos favorecidos da população. Ambas as ações de solidariedade sempre teriam um impacto no interior do país: cada trabalhador de saúde que salvava vidas em condições precárias, em áreas marginais ou muito intrincadas e e cada assistente social que reorientava seus semelhantes pelos estradas empedradas e bonitas do auto-aperfeiçoamento, podia (se levava a semente em seu peito) "reciclar" seu espírito revolucionário.

Protagonizar a justiça era o único meio de reativar a Revolução.

Nesse esforço, Fidel encontrou um igual: Hugo Chávez. Juntos, percorreram cada planície, cada rio, cada montanha, cada bairro urbano de nossa América, cada coração latino-americano. Juntos, exclamaram: que a unidade seja solidária!

O conceito de Revolução de Fidel (que é o seu código moral) adquire sentido no contexto da vida e a obra de Fidel. Se Pátria é Humanidade, Socialismo é justiça, é humanismo revolucionário. Nenhum aspecto ou ideia que este conceito expõe pode ser entendido se não se destaca seu princípio orientador: a luta contra a injustiça, onde quer que ocorra e contra o capitalismo, contra o imperialismo, que precisam dela. Quem diz que Fidel não vive mais? Seu conceito de Revolução transborda o conceito, isto é, as palavras que o compõem; e interage com a história, a que foi e a que será; porque sem justiça não há pátria, sem solidariedade - interna e externa -, não há pátria, sem as conquistas que alcançamos, e sem aquelas que pretendemos alcançar, não há pátria.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar