Publicidade

Diário Liberdade
Domingo, 22 Julho 2018 04:48 Última modificação em Quinta, 26 Julho 2018 20:15

Venezuela: desavergonhada rendição

Avalie este item
(2 votos)
País: Venezuela / Batalha de ideias / Fonte: Diário Liberdade

[María Alejandra Díaz*, Tradução de Anisio Pires] Os neoliberais defendem medidas -recursos midiáticos de por meio- que nos lembram anos nefastos (80-90), pois levaram o país a 67% de pobreza e 35% de pobreza extrema, analfabetismo, exclusão e miséria galopante.

Alegam que gerando confiança e um marco de segurança jurídica se cria um ambiente propício para o investimento privado (nacional e estrangeiro), em uma estratégia de crescimento que permita repatriar o capital que fugiu e sair adiante. Defendem isto embora signifique perder soberania e a consequente privatização de nossas principais indústrias e serviços, incluída PDVSA (Petróleos Da Venezuela S.A.), tomando o poder político –eles já têm o econômico- logo o militar, pondo fim à utopia Bolivariana.

Eles voltam com o dogma da abertura do livre mercado, livre troca de divisas, restrição monetária, redução do salário real, aumento dos tipos de interesse, liberalização dos preços: primeira dose da terapia de choque. A segunda prevê liberalização e ida ao FMI e a terceira dose da devastação, a privatização, mudar a propriedade e a gestão, e reorientar a produção. Assim, ficou demonstrado no caso da URSS depois de 1989, onde o “novo” foi a evaporação dos ativos públicos e a fuga de ingentes fortunas ao exterior, devindo uma desvalorização inevitável de sua moeda.

Recomendam reduzir o déficit fiscal botando na rua milhares de trabalhadores, eliminar a intromissão do Estado, desmantelar o Estado Social, eliminar regulações estatais, substituindo elas pelo consenso de cidadãos –elites empresariais-, suprimir o Estado-Nação e a soberania real privilegiando a soberania do consumidor e empresário.

Para isso era necessário desmontar o modelo de desenvolvimento de Chávez baseado em um princípio contrário ao neoliberal; distribuir primeiro. Para crescer e gerar recuperação econômica se partiu de uma decisão política. Crescemos e distribuímos o que foi produzido, sendo o controle de câmbio o dispositivo mais idôneo para deter a fuga de divisas e poder repassar estas em uma distribuição equitativa dos recursos, prevista constitucionalmente.

Na contramão dos neoliberais devemos fortalecer a ordem interna (produção, manufatura, industrial e agrícola camponesa), ancorar o tipo de câmbio a comodities, recuperar PDVSA -jamais entregá-la-, estimular o consumo, combater a liberação de preços, minimizar o contrabando, usar a tecnologia para controlar subsídios e evitar desvios e corrupção com políticas audazes no aspecto tributário, fiscal e monetário.

A proposta neoliberal desconhece que Chávez representou uma subtração ao sistema capitalista ao recuperar PDVSA como produtora de um bem muito apreciado pelo mercado mundial, obter rendimentos e partilhar eles justamente. Esquecem que a anomalia proposta por Chávez consistiu em distribuir essas rendas em planos sociais de melhoria da qualidade de vida de todos… Aí estão os números.

É uma falta de vergonha propor liberalizações, quando a gente padece de uma. Acaso o Dólar Tóxico e seus efeitos de livre mercado sem a intervenção estatal não tem funcionado arrochando os salários, deteriorando drasticamente a qualidade de vida, levando à exclusão e perda de esperança em uma vida melhor?

O conflito de fundo que os neoliberais evitam dizer se centra na apropriação dos rendimentos e a distribuição da renda petroleira: setores oligopolistas e monopolistas parasitários contrários a um Estado Social dono dos recursos que garante os direitos humanos, a distribuição equitativa e que cuida que os agentes econômicos não aplastem aos fracos, gerando condições e oportunidades aos menos favorecidos historicamente.

Tratam de nos impor através da hiperinflação regras para nos domesticar. Corresponde ao Estado Democrático, Social, de Direito e de Justiça equilibrar estas desigualdades impostas pelo capital e seus donos, o contrário é violentar a Constituição, nos render e trair Chávez.

(*) Advogada constitucionalista venezuelana, integrante da Assembleia Nacional Constituinte (ANC)

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar