Publicidade

Diário Liberdade

Ato pede substituição do atual sistema, privatizado em 1981 por Pinochet, por sistema tripartite; mais de 90% dos aposentados do Chile recebe pensões inferiores a 154 mil pesos mensais (233 dólares).

Publicado em América Latina

Há algumas semanas foi noticiado no Chile a expansão de diversos focos de incêndio em plantações do negócio da indústria florestal, na zona centro-sul do país. Estes focos de incêndio foram

Publicado em América Latina

[Franck Gaudichaud] Onze anos passados sobre a luta de 2006, que teve grande repercussão, o mineiros da mina chilena «Escondida» recorrem a uma greve ilimitada. Não são só as suas reivindicações económicas e sociais próprias que ecoam. É também a questão da nacionalização e do controlo popular sobre as riquezas do país.

Publicado em América Latina

[Pedro Ramírez] Em 17 anos de poder, ditador acumulou US$ 21,3 milhões, maior parte obtida ilegalmente, de acordo com Justiça chilena; mas valor real desse patrimônio pode ser bem maior, e ainda depende do desfecho do caso Riggs.

Publicado em América Latina

Dez funcionários e funcionárias públicos ocuparam nesta quarta-feira (16) uma mina de carvão em Lota, na província de Concepción, para protestar contra o reajuste salarial de 3,2% proposto pelo governo chileno.

Publicado em América Latina

Em 16 de Setembro completa-se 43 anos do assassinato de Vitor Jara pela ditadura chilena.

Publicado em América Latina

Os reformados chilenos estão a sofrer com as consequências da privatização do sistema de pensões no Chile em 1981, que lhes paga uma reforma correspondente a cerca de um terço do salário da vida ativa. Os protestos pelo fim do sistema privado de pensões subiram de tom nas últimas semanas e juntaram 1.3 milhões de pessoas nas ruas do Chile este domingo, segundo os organizadores.

Publicado em América Latina

Secundaristas ocuparam escolas e enfrentaram a polícia nas ruas de Santiago nesta quinta-feira (25)

Publicado em América Latina

A cena em uma aula da Flacso, em Santiago de Chile, agosto de 1967. Os alunos dos dois mestrados ofertados no momento, um em Sociologia e outro em Ciência Política, esperam com entusiasmo a chegada de um novo professor de economia: um jovem exilado brasileiro, com impecáveis antecedentes de esquerda, que pela primeira vez ministraria um curso a nível de pós-graduação. O Diretor da instituição faz a apresentação formal e pouco depois o professor passa a explicar seu programa, coisa que faz em um bom “portunhol” e com marcado acento brasileiro, que servia para matizar a aridez de seu discurso. O conteúdo e a bibliografia são rigorosamente marxistas, sem a menor fissura pela qual pudesse deslizar-se alguma outra vertente de pensamento econômico.

Publicado em Outras Vozes

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar