Publicidade

Diário Liberdade
Sábado, 11 Novembro 2017 18:13 Última modificação em Terça, 14 Novembro 2017 23:51

ONU: bloqueio saudita ao Iêmen poderá causar onda de fome com milhões de vítimas

Avalie este item
(1 Voto)
País: Iémen / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Pravda.Ru

O subsecretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) para Assuntos Humanitários, Mark Lowcock, fez um alerta aterrorizante ao Conselho de Segurança na última quarta-feira (8): se o Iêmen continuar com acesso terrestre, marítimo e aéreo bloqueado, sua população sofrerá "a maior fome que o mundo já viu em décadas, com milhões de vítimas".

Na terça-feira (7), a ONU havia confirmado que as operações humanitárias no Iêmen foram impedidas pelo bloqueio imposto pela Arábia Saudita aos portos e aeroportos do país, após a morte de um príncipe e sete funcionários sauditas em acidente de helicóptero próximo à fronteira com o país.

A Arábia Saudita ordenou a expulsão das embarcações comerciais dos portos iemenitas de Saleef e Al Hudaydah. Este último é a principal porta de entrada de ajuda humanitária ao Iêmen, do qual dependem milhões de pessoas. Segundo o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), o funcionamento desse porto é uma obrigação humanitária.

De acordo com o serviço de notícias da ONU, há muita preocupação do OCHA com o impacto negativo do fechamento dos portos e aeroportos do Iêmen. Atualmente, cerca de 7 milhões de iemenitas passam fome e dependem totalmente da ajuda humanitária para sobreviver. O bloqueio dos aeroportos impede a entrada de alimentos, medicamentos e combustível.

Se não houver acesso ao canal de abastecimento, irá se aprofundar a insegurança alimentar e, com ela, a crise humanitária. A ONU exigiu a retomada e a garantia completa de ajuda humanitária pelo desbloqueio dos acessos ao território do país.

Crise humanitária

O Iêmen sofre desde 2015 com a agressão militar das forças lideradas pela Arábia Saudita e apoiadas por membros do Conselho de Segurança da ONU, como os EUA. Elas estão envolvidas no apoio militar a um dos lados que disputa o poder, em uma guerra civil que completará três anos e já deixou mais de 5,3 mil mortos em combates e quase 9 mil pessoas feridas.

O pequeno país árabe, o mais pobre do Oriente Médio, passa atualmente por uma grave epidemia de cólera, com o maior número de afetados já registrado em toda a história para um único ano. Entre o final de abril e o final de outubro, houve cerca de 2,2 mil mortes associadas com a epidemia, que já atingiu quase 900 mil casos suspeitos, sendo mais da metade em crianças.

Além disso, o Iêmen vive a maior crise humanitária da atualidade, com 20,7 milhões de cidadãos necessitando ajuda humanitária. São cerca de 17 milhões de vítimas de insegurança alimentar; mais de 15 milhões não têm acesso à água, ao saneamento ou aos cuidados básicos de higiene; mais de 2 milhões de desalojados são obrigados a sobreviver em assentamentos improvisados superlotados, inseguros e anti-higiênicos para escapar dos ataques a bomba, bombardeios e confrontos armados.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar