Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Sexta, 20 Mai 2016 15:12 Última modificação em Sexta, 20 Mai 2016 16:06

Juros e o inevitável colapso do Brasil Destaque

Avalie este item
(2 votos)
País: Brasil / Laboral/Economia / Fonte: Diário Liberdade

[Alejandro Acosta] Como a alta dos juros afeta os Estados Unidos, os países desenvolvidos e o Brasil?

A Reserva Federal (o banco central dos Estados Unidos), voltou a anunciar que as taxas de juros deverão ser aumentadas no próximos mês de junho.

A Reserva Federal, que é controlada diretamente pelos principais bancos, alegou que a economia se encontra estabilizada o suficiente para suportar o aumento dos custos dos empréstimos. Em 2007, a taxa de juros se encontrava acima dos 4%. Em 2008, foi rebaixada para 2% e, desde 2009, tem sido mantida entre 0% e 0,25%. Em dezembro do ano passado, foi aumentada para a banda entre 0,25% e 0,50%

Em 2008, o fechamento de vagas de trabalho, de acordo com as estatísticas oficiais, chegou às 765 mil.

O suposto crescimento econômico tem sido sustentado, de maneira muito contraditória, por meio do repasse de recursos ilimitados aos monopólios. Em 2008, o sistema financeiro mundial quebrou e todos os monopólios sofreram enormes perdas. Os monopólios foram resgatados por meio de trilhões, escalando o endividamento a níveis inacreditáveis. Somente a dívida pública dos Estados Unidos passou dos US$ 6 trilhões para mais de US$ 18 trilhões; ou seja, em apenas sete anos a dívida que tinha sido acumulada desde a Independência (1764) triplicou. E se ainda forem somados os recursos não provisionados com as aposentadorias, MediCare, gastos remanescentes com as guerras do Iraque e do Afeganistão, dívidas das empresas, consumidores e estudantes, o endividamento geral norte-americano dispara para aproximadamente US$ 100 trilhões, ou cinco vezes a “produção” anual. A palavra produção deve ser colocada entre aspas, pois, devido às manipulações estatísticas e ao estado de putrefacção da economia, entram nos cálculos os componentes da especulação financeira. Por exemplo, as tarifas bancárias e os juros entram no cálculo do PIB (Produto Interno Bruto).

O CONTO DE FADA DOS JUROS

A propaganda imperialista tenta fazer acreditar que os juros baixos têm como objetivo facilitar as compras ultra parceladas que movimentam a economia dos Estados Unidos. Na realidade, isso é apenas um dos componentes do problema.

A economia capitalista se encontra encurralada por uma brutal crise de produção, muito além de uma “mera” crise financeira. As mercadorias não encontram saída por causa da crise, do empobrecimento, da queda do poder de compra das massas. Um certo desenvolvimento da economia é a base, apenas, para realizar as atividades especulativas das quais os monopólios extraem o grosso dos lucros. Mas há um outro componente muito crítico.

Em 2008, as políticas neoliberais colapsaram. Os monopólios não conseguem mais existirem sem receberem repasses de recursos trilionários do estado. Desde 2009, passaram a receber empréstimos ilimitados a taxas de 0,25% ao ano. Esses recursos são direcionados para a especulação financeira. E nem mesmo assim os monopólios conseguiram se recuperar. Vários outros programas têm repassado outros trilhões em paralelo.

Nenhuma engenharia financeira consegue salvar o capitalismo ultra parasitário da crise. Os volumes de capitais fictícios são gigantescos, e somente crescem. O capitalismo de estado, o capitalismo funcionando nas costas do estado burguês, é uma caraterística do imperialismo que representa a prova material de que a sociedade tende a se organizar de maneira planejada e centralizada, e que a crise tem na origem a propriedade privada da riqueza mundial pelas 150 famílias que dominam o mundo.

UMA MOEDA “PAPEL HIGIÉNICO”?

O mundo tem sido inundado com o dólar norte-americano desde o final da Segunda Guerra Mundial. Os acordos de Bretton Woods (1944) estabeleceram a conversibilidade do dólar ao padrão ouro. Bretton Woods sofreu um calote em 1971, durante a Administração de Richard Nixon, devido à impossibilidade de enfrentar os gastos da Guerra do Vietnam.

O principal mecanismo para emitir dólares é a emissão de títulos públicos. Os principais detentores desses títulos são a Reserva Federal, com US$ 4,5 trilhões, a China, o Japão, a Arábia Saudita, o Brasil e a Rússia. O Brasil possui mais de US$ 260 bilhões em títulos do Tesouro Norte-americano que, supostamente, fariam parte da, enfraquecida, blindagem da economia. Na realidade, trata-se de um mecanismo para absorver recursos da economia mundial com o objetivo de sustentar os lucros dos monopólios que, de outra maneira, não conseguiriam sobreviver.

O verdadeiro objetivo por trás da pressão pela alta dos juros se relaciona com a própria podridão da economia. O volume de títulos podres que é comercializado tem crescido violentamente e já supera os US$ 6 trilhões. Conforme a crise tem se aprofundado, esse volume tende a aumentar. O problema é que com a acumulação desses títulos podres pela Reserva Federal, a partir dos programas QE (quantitative easing ou alívio quantitativo) as taxas de lucro dos chamados “high yields”, ou títulos altamente podres, despencaram de 15%, há dois anos, para menos de 4%, para desespero dos especuladores financeiros.

O capitalismo se encontra numa encruzilhada da qual não consegue sair. Não foi possível colocar em pé uma nova política alternativa ao “neoliberalismo”, desde 2008, devido ao gigantesco parasitismo. As políticas tampam um buraco, mas acabam destampando outro.

Para o próximo período, está colocado um novo colapso capitalista de proporções muito maiores que os anteriores. E esta é a base que voltará a colocar em movimento a classe operária mundial, principalmente nos países centrais.

O IMPACTO DO INEVITÁVEL AUMENTO DOS JUROS SOBRE O BRASIL?

O objetivo das políticas monetárias imperialistas passa por manter os lucros dos monopólios a qualquer custo. O problema consistiria “apenas” nos “fatores imprevisíveis”, tais como a crise na China, a enorme queda dos preços do petróleo e das matérias primas, a crise nas bolsas, a recessão industrial em escala mundial e o aprofundamento generalizado da crise capitalista mundial em direção a um novo colapso de grandes proporções.

A política tem como objetivo aumentar as taxas de juros nos Estados Unidos de maneira gradual, em aproximadamente 1% ao ano. Mas há sempre os “imprevisíveis”. No início de 1980, no auge da crise aberta em 1974, os juros chegaram a 20,5%.

A política de juros baixos para os empréstimos de longo prazo, na década passada, acabou gerando a bolha imobiliária que estourou em 2008. Nos anos seguintes, a migração de capitais levou ao crescimento das bolhas nos países atrasados que deverão estourar no próximo período.

O impacto da alta dos juros, nos Estados Unidos, sobre o Brasil é que haverá uma fuga de capitais para o “porto seguro” dos títulos públicos dos países centrais. A atração acontecerá por causa da alta dos juros e também pelos ataques promovidos contra o Brasil pelas agências qualificadoras de risco, que, controladas pelos monopólios, estão colocando a dívida pública brasileira no status lixo.

A política da alta dos juros nos Estados Unidos também tenderá a acirrar as contradições com os demais países desenvolvidos, pois se o imperialismo europeu e japonês mantiverem as taxas de juros baixos haverá, inevitavelmente, uma corrida pelos títulos norte-americanos.

O acirramento das contradições inter-imperialistas e com os países atrasados está colocado à ordem do dia no próximo período. É a política do “salve-se quem puder” a todo vapor. O novo elemento que entrará em cena, também de maneira inevitável, e a movimentação da classe operária mundial.

https://alejandroacosta.net

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar