Publicidade

Diário Liberdade
Domingo, 06 Agosto 2017 22:09 Última modificação em Quarta, 09 Agosto 2017 14:03

Sul-coreanos têm mais medo de Trump do que testes da Coreia Popular

Avalie este item
(0 votos)
País: Coreia do Sul / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Sputnik

A população de Seul, capital da Coreia do Sul, demonstra ter mais medo das atitudes intempestivas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump (aliados da Coréia do Sul), do que os testes balísticos realizados pela Coreia Popular quase mensalmente. É o que apontou uma reportagem do jornal sul-coreano Korea Herald, publicada nesta sexta-feira (4).

Nas ruas da capital da Coreia do Sul, o sentimento geral da população é um só: “estamos acostumados a ouvir tais notícias”, afirma um bancário de 32 anos quando questionado sobre os recentes dois testes de Pyongyang com mísseis balísticos intercontinentais (ICBM, na sigla em inglês).

Para atacar Seul, o regime de Kim Jong-un precisaria de muito menos do que um ICBM: o país possui 1,2 milhão de soldados e possui farta artilharia apontada para a capital sul-coreana, que fica a 50 quilômetros da fronteira entre os dois países na Península Coreana.

“Se preocupar com a segurança nacional a nível individual não fará a Coreia Popular parar com o desenvolvimento dos seus mísseis”, disse um funcionário público ouvido pelo jornal. O que preocupa a população da Coreia do Sul está muito mais distante do país, mais precisamente na Casa Branca.

“Minha maior preocupação é que os EUA conspirem em um ataque preventivo contra a Coreia Popular e o realizem sem consultar o nosso governo. Penso que pode ser uma opção plausível para os EUA, porque a guerra se desenrolaria na Península Coreana, não em suas terras”, avaliou um trabalhador de escritório de 40 anos.

Confusão e tuítes

A precipitação do imprevisível Trump é uma preocupação que acompanha também especialistas, que creem que um conflito militar na península seria uma catástrofe que o mundo não vê há muitas décadas. Por isso a insistência em uma saída diplomática.

Um outro trabalhador, de 30 anos, de origem coreana mas com nacionalidade estadunidense, foi além:

“E se o Trump publicar um tweet como ‘a Coreia Popular está fora de controle e deve ser derrubada’ e a Coreia Popular leva isso como uma declaração de guerra? Ela [Coreia Popular] é irracional, mas não irracional o suficiente para arriscar a sobrevivência de seu próprio regime. Mas com as palavras imprudentes de Trump, temo que o Norte possa se sentir pressionado a fazer algo mais perigoso”, comentou.

Tanto o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, quando o vice-presidente norte-americano, Mike Pence, declararam no primeiro semestre deste ano que “todas as opções estão na mesa” para lidar com o regime da Coréia Popular – incluindo as vias militares. Contudo, o chefe do Pentágono, James Mattis, desencorajou a iniciativa.

As palavras do senador Lindsey Graham nesta semana – “se ocorrer uma guerra para parar [Kim Jong-un], será lá [na Península Coreana]. Se milhares morrerem, irão morrer lá, não aqui. O presidente [Trump] me disse isso pessoalmente” – pouco ajudaram a acalmar o ambiente tenso entre os dois países.

O que parece claro, tanto nos EUA quanto na Coreia do Sul, é que ninguém tem uma real ideia de qual é a política de Trump para a Coreia Popular. “Às vezes ele fala sobre ataques militares e então sugere diplomacia. Eu só espero que ele não faça algo louco”, disse um estudante de 28 anos.

Já as autoridades da Coreia do Sul não acreditam que uma guerra possa eclodir, já que nenhum dos lados teria algo a ganhar – e muito a perder. Contudo, o impasse segue estabelecido entre o que quer a Coreia Popular (fim das sanções e da presença dos EUA em Seul), e o que querem os EUA (desnuclearização da península).

Para apontar uma saída para a crise, nem nas ruas de Seul alguém arrisca uma resposta.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar