Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 13 Junho 2016 19:13 Última modificação em Quinta, 16 Junho 2016 23:06

A possível solidificação do CO2

Avalie este item
(2 votos)
/ Consumo e meio natural / Fonte: Esquerda

Uma equipa de cientistas e engenheiros de uma central eléctrica na Islândia mostrou pela primeira vez ser possível enterrar emissões de dióxido de carbono no subsolo transformando-as num elemento sólido em apenas alguns meses.

Segundo o Público, o estudo que revela esta descoberta foi publicado esta semana na revista Science e está a ser recebido com optimismo porque até agora os projetos de captura e o sequestro de carbono (CCS, na sigla inglesa) separam numa central a água do CO2 que depois é conduzido por uma conduta que o leva por um poço onde é injectado no subsolo.

Esta situação criava receios de que o de que o gás poderia de alguma forma “escapar” e regressar à atmosfera. No modo convencional, o CO2 é armazenado como gás em rochas sedimentares que, ao contrário do basalto utilizado neste estudo, não contém os minerais necessários para converter o CO2 em pedra.

O projecto piloto Carbonfix começou em 2012 na central de Hellisheidi, na Islândia, a maior central geotérmica do mundo. Cientistas misturaram os gases com a água quente vulcânica que retiravam do solo, injetando-o novamente no subsolo de basalto.

Mitigiar as alterações climáticas

Na natureza, quando o basalto é exposto ao dióxido de carbono e à água, uma reacção química natural transforma o carbono em calcário. A expetativa inicial era a de que um processo pudesse demorar centenas ou milhares de anos. Essa foi uma das surpresas do estudo: no basalto debaixo da central islandesa, 95% do carbono injetado demorou menos de dois anos a solidificar, refere ainda aquele jornal.

Os processos de captura e o sequestro de carbono podem ter um papel importante na mitigação das alterações climáticas.

Refira-se que a Agência Internacional de Energia, estima que em 2050 estas tecnologias possam reduzir as emissões globais de gases com efeito de estufa em 19%.

“Precisamos de lidar com as crescentes emissões de carbono e o seu armazenamento permanente e transformá-las novamente em pedra”, refere o investigador que liderou o estudo do projeto islandês, Jureg Matter.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar