Publicidade

Diário Liberdade
Sexta, 29 Dezembro 2017 13:26 Última modificação em Segunda, 01 Janeiro 2018 21:43

Os 50 anos do Partido Comunista Alemão

Avalie este item
(0 votos)
País: Alemanha / Resenhas / Fonte: PCB

Comunistas em luta pelo mundo (Secretaria de Relações Internacionais do PCB)

O Partido Comunista Alemão – DKP – comemora, em 2018, seus 50 anos de fundação. Em artigo publicado na edição de 22 de dezembro de 2017, no jornal Unsere Zeit (Nosso Tempo), o Secretário Geral do DKP, Patrik Köbele, descreve a trajetória do Partido, afirmando que esta “Nunca foi fácil”.

Olhar para nossa história em uma situação extremamente difícil para o DKP não é uma tarefa fácil. Talvez, no entanto, os destaques históricos também possam ajudar a dar indicações para resolver os problemas de hoje e para que tenhamos uma melhor compreensão do partido e da sua história.

A Reconstituição do DKP

A palavra Reconstituição é muito importante e deve indicar que o DKP não é algo novo em relação ao então KPD (Partido Comunista da Alemanha), então e hoje ainda (!) proibido. A linha da tradição é clara, não é coincidência. Na verdade, o processo de reconstituição começou mais cedo, com a tentativa muitas vezes suprimida pelos órgãos repressivos para apresentar o novo programa do KPD. E certamente um destaque foi a fundação da Juventude Socialista – SDAJ – em maio de 1968. Foi uma decisão inteligente, politicamente deliberada, dado que a ameaça de proibição apontava para a decisão de adotar-se, para a entidade, um conceito mais amplo do que o de uma associação de jovens comunistas.

A Reconstituição foi uma decisão muito difícil. Ficou claro que a decisão tornaria mais difícil a luta contra a proibição do KPD. Por outro lado, qualquer perda de tempo na criação de um Partido Comunista legítimo teria sido um problema diante das lutas dos estudantes e da classe trabalhadora. Essas batalhas precisavam de um Partido Comunista. E isso foi rapidamente confrontado com uma decisão difícil do internacionalismo proletário: os Estados do Tratado de Varsóvia intervieram na Tchecoslováquia. A atitude do partido era clara, era sobre a prevenção de uma contrarrevolução e o avanço da OTAN no Leste. Hoje sabemos que o Partido estava correto, mas, naquela época, essa ação isolou o partido de muitos que seguiam, então, ilusões “antiautoritárias”.

O DKP e a República Democrática Alemã – DDR

Uma peculiaridade histórica: no imediato pós-guerra, dois estados (e Berlim Ocidental) emergiram de um. Três partidos comunistas (SED, SEW, DKP) emergiram do KPD. O socialismo foi construído em um estado (a DDR) e o capitalismo/ imperialismo foi restaurado em outro (a República Federal da Alemanha). Em um (RFA), o KPD é banido onze anos após a libertação. Os camaradas perseguidos encontram asilo no outro estado alemão (RDA), onde havia camaradas com quem já haviam estado em uma festa e que, em seguida, apoiaram a luta ilegal dos comunistas no Ocidente. Esse era um relacionamento muito especial. Era politicamente convincente e correto que a defesa da RDA fosse uma preocupação central, na verdade uma questão central para o DKP. Claro. As questões centrais às vezes nublam o olhar diferenciado. A essência do relacionamento com a RDA, com o socialismo real, foi e é, no entanto, uma característica insubstituível de um partido comunista alemão.

O Eurocomunismo

Alguns partidos irmãos na Europa tomaram um caminho diferente. Porque, certamente, estavam refererenciados no socialismo real, na estagnação, mas, acima de tudo, provavelmente também nas ilusões do imperialismo, o que, de fato, foi em alguns lugares realmente forçado a criar uma máscara de “capacidade de paz” e fingir que o poder seria decidido na via parlamentar e não na difícil luta de classes – ilusões reformistas. Uma fenda para os países do socialismo real surgiu, além da divisão profunda existente no movimento mundial comunista. É um mérito histórico do DKP, atuando em um dos países imperialistas mais desenvolvidos, não ter sido absorvido nessas ilusões. Aliás, isso também se aplicou mais tarde, ao absurdo conceito do “imperialismo pacífico”, como aconteceu quando Gorbachov era secretário geral do PCUS, ao qual o DKP nunca seguiu.

O movimento pela paz

Esta foi também uma componente da força do DKP no e para o movimento da paz. Naquela época, as forças da esquerda e da direita queriam o movimento da paz em um curso equidistante, contra o Pacto de Varsóvia e a OTAN. Assim, o movimento da paz não teria alcançado sua força relativa anterior, de fato, como o chamado “movimento de paz independente da RDA”, que, em última análise, teria sido explorado pelo imperialismo.

O sindicalismo

A influência da SDAJ e do DKP nas fábricas foi um fator real que se refletiu no desenvolvimento dos sindicatos. As batalhas tornaram-se mais políticas, os sindicatos representaram questões de propriedade (por exemplo, a socialização da indústria siderúrgica).

E então elas vieram, as ilusões

Gorbachov proclamou um “De volta a Lênin”, mas começou com a dissolução do socialismo. As massas tomaram as ruas para um melhor socialismo e não perceberam como foram instrumentalizadas peça por peça para a contra-revolução. Muitas perguntas, para o próprio partido, também tiveram que ser feitas. As questões foram justificadas – as respostas dos chamados inovadores estavam erradas. SDAJ e DKP se recusaram a segui-los. Sem essa decisão contra os inovadores, a SDAJ e o DKP não existiriam hoje. E, ao mesmo tempo, as emoções e as dores desta luta, que foi então ofuscada pela contrarrevolução bem-sucedida no socialismo na Europa, ainda estão tendo efeito.

E hoje?

Não, na verdade não saímos desta crise permanente desde 89/90. Em última análise, é uma crise do movimento dos trabalhadores, que também se perde na lógica da organização local e na cogestão, porque a parte revolucionária e comunista é pequena, fraca, desunida. Os 200 anos de Karl Marx, 100 anos da Revolução de Outubro, 100 anos do KPD, 50 anos do DKP, são marcos históricos fundamentais que apontam para a reversão dessa situação.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar