Publicidade

Diário Liberdade
Sábado, 04 Agosto 2018 19:15 Última modificação em Quinta, 09 Agosto 2018 03:56

Entrevista com o ministro da Defesa da Rússia, General Sergei Shoigu (2ª parte, final)

Avalie este item
(1 Voto)
País: Rússia / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Il Giornale

[Tradução da Vila Vudu] Leia a primeira parte da entrevista aqui.

Alessandra Benignetti, entrevistadora (AB): Da guerra na Síria, à guerra comercial. Se o nível das relações com Washington chegou ao ponto mais baixo de todos os tempos, as relações com a China fortalecem-se cada dia mais... 

General Shoigu: É claro, a tensão nas relações internacionais contribuiu para fortalecer as relações entre Rússia e China, que são baseadas em respeito e confiança mútua. Rússia e China mantêm relações estratégicas e amistosas de longo prazo, e a cooperação está se desenvolvendo em muitas áreas, inclusive mediante agências militares, o que interessa aos dois estados

Exemplos de nossa cooperação incluem treinamento bilateral conjunto das forças armadas de nossos estados, inclusive o exercício naval anual "Cooperação no Mar", e uma série de exercícios das marinhas russa e chinesa, exercícios anuais, com mísseis de defesa antimísseis, chamados "Segurança do Aeroespaço" [ing. Aerospace Security].

Mantemos exercícios militares multinacionais de exército e frotas dos países membros da Organização de Cooperação de Xangai, exercício chamados "Missão de Paz". Além disso, representantes chineses participam da competição anual promovida pelo Ministério da Defesa da Rússia, chamados "Jogos do Exército". Hoje, cerca de 12% das armas russas são exportadas para a China.

Ao mesmo tempo, nossas atividades conjuntas nessa área, em contraste com os exercício conduzidos pela OTAN e pela União Europeia na Europa, têm natureza exclusivamente defensiva. Nossas parcerias militares não são orientadas contra outros países ou blocos e servem exclusivamente para fortalecer a segurança global e regional.

AB: O que o senhor pensa sobre o desenvolvimento da situação na Coreia do Norte?

 

General Shoigu: Rússia e Coreia do Norte assinaram vários acordos no campo da cooperação técnico-militar, cuja implementação está suspensa no contexto da consideração, pela Federação Russa, das resoluções 1.718 e 1.874 do Conselho de Segurança da ONU.

Atualmente estamos assistindo a uma significativa redução das tensões entre o norte e o sul da Península Coreana. Cremos que essa tendência positiva é estável e irreversível.

AB: E quanto à Ucrânia: o senhor acha que será possível descobrir uma solução para o atual conflito no sudeste do país?

General Shoigu: Só a implementação incondicional, por Kiev, dos Acordos de Minsk pode impedir que a situação evolua para o genocídio da população russa. Infelizmente, Kiev recusa-se obstinadamente a cumprir o acordo, a partir de pretextos e desculpas muito frágeis e com repetidas acusações sem provas contra a Rússia.

Ao mesmo tempo, Kiev rejeita até a possibilidade de qualquer diálogo com Donetsk e Lugansk, e sem diálogo é simplesmente impossível resolver essa crise. Claro que nosso país responde a esses desenvolvimentos, não nos cansamos de insistir com Kiev para que implemente o pacote de medidas que foram acertadas em Minsk.

Esperamos que os países europeus, em primeiro lugar os membros do formato "Normandia", [que inclui Alemanha, França, Rússia e Ucrânia] consigam fazer valer toda a influência que têm sobre as autoridades ucranianas, para que se alcance solução pacífica, negociada, para esse conflito interno no sudeste da Ucrânia.

Creio que seja impossível um confronto direto entre Ucrânia e Rússia. Nossos países têm raízes comuns, durante séculos enfrentamos juntos todas as dificuldades e lutamos lado a lado por nossa liberdade e independência na 2ª Guerra Mundial. Parentes da família de minha mãe viviam na Ucrânia. Fui batizado numa pequena igreja em Stakhanov, cidade da região de Lugansk, na Ucrânia. Tenho confiança de que jamais haverá espaço para confrontação ou hostilidade entre nossos povos, dada nossa história comum. [Fim da entrevista]

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar