Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 10 Julho 2017 18:35

Libertação LGBT na Revolução de Outubro

Avalie este item
(0 votos)
António Santos

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

A maioria dos historiadores atribui a libertação LGBT ocorrida na Rússia e na Ucrânia na década de 20 ao colapso do edifício judicial do czarismo, à desordem da guerra civil, à circunstância embrionária das primeiras leis soviéticas ou, mais frequentemente, a um acaso fortuito da História. Nada mais equivocado.


Até 1992 a Organização Mundial de Saúde considerava a homossexualidade uma doença. Até 1982, em Portugal, ser gay era crime e só em 2005 pessoas do mesmo sexo conquistaram o direito de se casarem no nosso país.

Mesmo na cosmopolita Inglaterra, em plena década de 60, as pessoas LGBT eram punidas com duras penas de prisão. E, há cem anos, a Rússia de Lénine era o primeiro país, no século XX, a abolir todas as leis contra a homossexualidade, legalizava o casamento entre pessoas do mesmo sexo, reconhecia às pessoas LGBT liberdade e direitos políticos, autorizava a mudança de sexo nos passaportes e documentos de identificação, e punha em marcha estudos científicos, pioneiros e descomplexados, sobre a homossexualidade.

A maioria dos historiadores atribui a libertação LGBT ocorrida na Rússia e na Ucrânia na década de 20 ao colapso do edifício judicial do czarismo, à desordem da guerra civil, à circunstância embrionária das primeiras leis soviéticas ou, mais frequentemente, a um acaso fortuito da História. Nada mais equivocado.

Em 1923, Grigori Batkis, director do Instituto de Moscovo para a Higiene Social escrevia: «A legislação soviética baseia-se no seguinte princípio: absoluta não interferência do Estado e da sociedade nos assuntos sexuais, desde que os interesses de ninguém estejam ameaçados. (...) No que diz respeito à homossexualidade, sodomia e outras formas de gratificação sexual, que a legislação europeia considera ofensas contra a moral pública, a legislação soviética trata-las exactamente como as relações sexuais chamadas "normais" [sic]. Só quando há recurso à violência ou à coerção, como quando há qualquer agressão ou violação dos direitos de outra pessoa, é que é instaurado um processo judicial».

No mesmo ano, as actas da Conferência Internacional do Instituto Alemão para a Pesquisa Sexual revelam que, na sua intervenção, o poderoso comissário soviético da Saúde, Nikolai Semashko, «relatou estar satisfeito por, na nova Rússia, todas as antigas penas contra os homossexuais terem sido completamente abolidas. Explicou também que nenhuma consequência indesejada adveio da eliminação dos referidos artigos do Código Penal e que, desde então, não surgiu, em momento algum, o desejo de reintroduzir essas penas (...) [a nova legislação] é deliberadamente emancipadora, amplamente aceite na sociedade e ninguém a quer repelir».

Em 1925, o relatório «Revolução Sexual na Rússia» considera a homossexualidade «perfeitamente natural», pelo que «deve ser legal e socialmente respeitada». Sublinho a data: 1925.

Não estamos, evidentemente, diante de um «acaso da história». A grande revolução proletária foi, antes de mais, uma revolução social, que retirou todo o poder a uma classe para entregá-lo a outra.

Como em todas grandes rupturas históricas, às alterações na infra-estrutura da sociedade corresponderam mudanças radicais no papel da mulher, na arte, na cultura e na ciência, mas também na sexualidade humana, na forma de encarar as pessoas LGBT e em todas as esferas da vida humana.

As fendas abertas nas próprias mentalidades partem elas próprias da nova organização da produção que, sacudindo os velhos jugos e os preconceitos poeirentos, aponta a nova cultura aos interesses na nova classe dominante.

Com efeito, a parca literatura sobre o assunto manifesta a existência de fenómenos inconcebíveis para a época em qualquer outro país do mundo: milhares de homossexuais e transexuais casam-se, criam arte livremente, assumem-se. Georgi Chicherin, dirigente bolchevique muito estimado por Lénine e o primeiro comissário do povo para os Negócios Estrangeiros da URSS, é um homossexual assumido.

Não se pense, porém, que a revolução apagou séculos de preconceito num toque de mágica. Desde a primeira hora que os incríveis avanços concorrem permanentemente com as contradições expectáveis do país mais atrasado da Europa, com um tempo em que as nações mais avançadas consideravam a homossexualidade um crime e com uma espúria mas emergente associação entre fascismo e homossexualidade (recorde-se que é também nos anos 20 que, na Alemanha, Ernst Röhm ensaia e procura, pública e politicamente, essa associação).

A História, dolorosamente como é seu apanágio, encarregou-se de demonstrar quantas décadas e quantas lutas faltavam ainda para serem dados passos firmes em direcção ao fim do preconceito e da discriminação. Apesar dos avanços revolucionários, em 1917, a Rússia não podia dar esses passos firmes. Então deu um salto.

Referências:
Healey, Daniel. Homosexual Desire in Revolutionary Russia, University of Chicago, 2001

Fonte: Abril Abril

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar