Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 09 Outubro 2017 13:14 Última modificação em Sexta, 13 Outubro 2017 20:20

A recentralizaçom que vem

Avalie este item
(5 votos)
Mauricio Castro

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

A firme vontade catalá para dar passos em direçom à sua plena soberania, sempre com base na aplicaçom do inalienável direito de autodeterminaçom, espoletou umha forte reaçom do Estado espanhol para evitar a rutura que nom houvo à morte de Franco.


Com sustento num irracionalismo largamente espalhado nas massas alienadas espanholas, com claras componentes fascistas, o Estado espanhol parece disposto a aplicar a violência que for necessária para retomar o controlo de aquelas que já Franco considerara “províncias traidoras”. As medidas governativas de mutilaçom da institucionalidade autonómica catalá já começárom, adubadas pola inusitada violência policial do dia 1 de outubro, que ficará para a longa história da vergonha espanhola, nom só desde o seu nascimento como Estado naçom no século XIX, como do longo prólogo nos séculos do autodenominado Império Católico.

Vistos da Galiza, os graves acontecimentos da repressom contra o Povo Catalám mostram várias cousas.

1º Que o Estado espanhol perdeu lá a hegemonia ideológica que a sua classe dominante ainda mantém no resto do território sob a sua administraçom. Essa hegemonia com base num consenso propagandístico que lhe evita recorrer à violência despida, a nom ser em casos pontuais, como o que vemos também nestes dias em Múrcia.

2º Só a violência institucional está a conseguir que a Catalunha nom se desvincule da dependência, após todas as tentativas possíveis de resoluçom democrática do conflito e sem que o Estado espanhol tenha cedido um mílimetro à proposta de escuitar o povo catalám.

3º Aconteça o que acontecer nos próximos dias e semanas, o povo catalám está em processo de emancipaçom efetiva, cuja culminaçom só poderá ser evitada pola imposiçom de umha violência de conseqüências incalculáveis para a estabilidade da Europa ocidental.

Dito todo o anterior, e sem podermos adiantar o desfecho do atual confronto entre o povo catalám e o Estado espanhol, todo indica que os seus efeitos abalarám o regime espanhol, que aprofundará o que já era umha clara deriva autoritária e recentralizadora.

Os primeiros passos dessa recentralizaçom ainda nom declarada (ocupaçom policial-militar, retirada de competências à polícia autonómica, assédio e detençom dos seus representantes institucionais...) revelam umha realidade que nom por conhecida deixa de preocupar-nos: as chamadas competências autonómicas fôrom sempre concebidas como concessons condicionais às autonomias e nom como direitos dos respetivos povos. No momento em que há um conflito, o Estado retira-as com a mesma unilateralidade com que tinham sido concedidas.

Ora, tanto se o povo catalám consegue finalmente quebrar a unidade espanhola exercendo os seus direitos nacionais, como se o Estado espanhol o evita pola força graças à cumplicidade dos seus “sócios” europeus, umha cousa é certa: Venhem tempos de forte recentralizaçom.

Se houver reforma constitucional, será para a reversom das concessons autonómicas e a imposiçom do reacionário e tradicional unitarismo espanhol, tornando a sobrevivência coletiva no interior das suas fronteiras inviável num ambiente que já é cada vez mais irrespirável.

Espanha e os direitos nacionais das naçons oprimidas som incompatíveis. A Catalunha sabe-o e também na Galiza devemos assumir um facto que nos vem imposto, preparando umha autodefesa coletiva que nos permita nom só resistir a dura ofensiva que vai vir, como também a construçom de umha alternativa popular, nacional e de classe, muito além das siglas e outras leiras atuais, totalmente insuficientes para garantir essa autodefesa.

Ferrol, Galiza, 9 de outubro de 2017

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar