Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 25 Junho 2018 12:46 Última modificação em Sexta, 29 Junho 2018 04:16

O KKE analisa o acordo entre Grécia e ARYM

Avalie este item
(0 votos)
País: Grécia / Institucional / Fonte: PCB

Seção de RI do Comitê Central do KKE.

O acordo entre os governos da Grécia e da antiga República Iugoslava da Macedônia foi obtido mediante a intervenção aberta dos EUA, da OTAN e da UE, tem seu selo e foi assinado com base nos prazos e nas agendas determinadas por estes organismos, com a finalidade de avançar a integração euro-atlântica dos Bálcãs ocidentais.

Este objetivo deriva claramente no texto do acordo. Não é por acaso que os primeiros a saudar este acordo foram o Departamento de Estado, a OTAN e a UE.

Por esta razão, todo o processo se centrou na questão do nome do país vizinho, enquanto uma serie de assuntos cruciais, como é o confronto do irredentismo, como as mudanças necessárias na Constituição do país vizinho, não só foram adiadas para o futuro incerto, como tornaram a situação mais complicada após a aceitação pelo governo grego de posições com relação ao “cidadão macedônico” e “língua macedônica” que constituem a essência do irredentismo.

Em consequência, é um acordo que não pode garantir uma solução a favor do povo grego, do povo do país vizinho nem dos demais povos da região.

As afirmações do governo de que supostamente este acordo salvaguardará a paz, a cooperação e a estabilidade nos Bálcãs e na região mais ampla, são completamente falsas, enganosas e ignorantes da história.

Passam por alto e silenciam conscientemente o fato de que a OTAN e a UE são fatores de insegurança e de mudanças fronteiriças, fomentam o nacionalismo e o irredentismo. Os povos dos Bálcãs, em particular, têm sua própria experiência negativa da política dos imperialistas durante todos estes anos.

Silencia-se o fato de que o curso da Grécia, Turquia, Albânia, Montenegro, Bulgária e Romênia na OTAN e a expansão dos planos da EU coexistem com as disputas fronteiriças, as violações de direitos soberanos, a provocação inclusive de questões de minorias inexistentes às custas dos povos da região. As relações greco-turcas servem como o exemplo mais característico.

Além disso, se silencia o fato de que a região ampla está no olho do furacão dos antagonismos, e é por isso que estão se intensificando as intervenções, a movimentação de forças militares fortes, a instalação de novas bases militares, etc. A adesão de países dos Bálcãs ocidentais à OTAN e à UE são parte destes planos no contexto do antagonismo com outros estados poderosos, como a Rússia.

O governo do SYRIZA-ANEL se converteu no melhor porta-estandarte dos planos da OTAN e da UE na região, a favor de setores do capital grego que reclamam maiores lucros da nova partilha da região, do saqueio e da exploração dos povos. É a outra face da política antipopular no interior do país que esmagando a renda e os direitos do povo.

O SYRIZA, sob o manto do cosmopolitismo, absolve o papel do imperialismo, fomentando a ilusão de que a ampliação dos organismos imperialistas salvaguarda a paz e a amizade dos povos.

Apesar de sua objeção superficial, o SYRIZA coincide e conta com a ajuda de forças nacionalistas, que ainda que reajam negativamente ao acordo, não questionam a consolidação da OTAN e da UE na região.

O KKE conclama nosso povo e os povos da região a fortalecer a solidariedade e a luta comum contra os planos imperialistas, contra o nacionalismo, contra a OTAN e a UE. Agora, não é momento de complacência, como está tentando cultivar o governo.

Fonte: http://es.kke.gr/es/articles/SOBRE-EL-ACUERDO-ENTRE-GRECIA-Y-ARYM/

Tradução: Partido Comunista Brasileiro (PCB)

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar