Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 21 Agosto 2017 13:21

Atualidade de Lênin como filósofo

[José Renato André Rodrigues] Vladimir Ilicth Ulianov, mais conhecido como Lênin, embora seja lembrado como líder da Revolução Socialista na  Rússia em 1917, não é  reconhecido como filósofo até mesmo por professores de filosofia, apesar de sua obra e suas formulações terem contribuído e muito para investigações no campo da filosofia, principalmente no  estudo da dialética.

Publicado em Mundo
Sábado, 08 Julho 2017 20:08

Estado de mal-estar capital

[Rafael Silva] Efêmero e tenso ponto de equilíbrio entre as necessidades básicas das pessoas e os imperiosos interesses do capital encontrado no século XX, o Estado de bem-estar social foi a garantia de serviços públicos e proteção à população mediante a organização da economia; algo como uma visível luva social que vestiu a invisível, porém sempre larápia, mão capitalista.

Publicado em Opiniom Própria
Segunda, 05 Junho 2017 06:29

Falácia libertária pós-moderna

Não sem muita controvérsia, cada vez mais o pensamento pós-moderno libertário de esquerda, produzido sobretudo por intelectuais após maio de 68, como por exemplo o de Deleuze e Guattari, é acusado pela redução da liberdade e pelo enfraquecimento das esquerdas pelo mundo.

Publicado em Opiniom Própria

Já está disponível a programaçom prevvista para a XXXIV Semana Galega de Filosofia, dedicada ao tema 'Filosofia e Saúde'.

Publicado em Galiza
Sábado, 18 Fevereiro 2017 03:25

Crônica sobre sonhos e sonhadores

Sandro Ari Andrade de Miranda, advogado, mestre em ciências sociais.

Existem poucas certezas na vida e uma delas é que todas as pessoas sonham. Aliás, sonhar não é privilégio dos humanos, se pararmos para analisar o comportamento animal, especialmente o dos mamíferos, vamos observar que estes também sonham, mesmo que para nós ainda seja impossível compreender, na sua totalidade, a dimensão dos sonhos das outras espécies.

Publicado em Mundo

[Rafael Silva; Laboratório Filosófico] A expressão “politicamente correto” é redundante. Não há incorreção quando somos, de fato, políticos. Dentro dessa relação, até as diferenças mais irredutíveis não são e não devem ser vistas como erros, mas como matéria da política. Radicalmente falando, ou agimos politicamente, ou, em vez disso, somos despóticos. Se há algum erro, ele pertenceria ao segundo caso. A invenção da política pelos gregos se caracterizou justamente pela conversão do despotés (déspota) em polités (político). Dessa perspectiva, acusar alguém de ser “politicamente incorreto”, na verdade, significa chamá-lo de bárbaro.

Publicado em Opiniom Própria
Domingo, 22 Janeiro 2017 03:24

Crônica sobre a esperança

[Sandro Ari Andrade de Miranda]

No fundo de um buraco ou de um poço, acontece descobrir-se as estrelas

Aristóteles

Publicado em Mundo

[Rafael Silva; Laboratório Filosófico] Nesse momento, no qual grande parte dos brasileiros acha que o Estado não faz jus aos seus cidadãos, “A República” de Platão é mais que pertinente. Nela, o pai da filosofia faz o exercício de imaginar um Estado ideal, dizem as boas línguas, em resposta à decadência em que se encontrava a sua Atenas real. Uma das grandes virtudes do diálogo foi estabelecer que as qualidades do Estado são as qualidades dos indivíduos que o compõem. Esquecemo-nos, ou, antes, queremos esquecer que o Estado não é, nem nunca foi uma instituição cujas virtudes e vícios advenham de cima para baixo, dos governantes aos governados, mas, ao contrário, é o resultado da soma dos estados individuais de cada cidadão, que, entretanto, se tornam notórios, e sobretudo criticáveis apenas na figura do Estado?

Publicado em Opiniom Própria
Domingo, 23 Outubro 2016 11:17

O protofeminismo de Montaigne

[Rafael Silva; Laboratório Filosófico] Michel de Montaigne, em pleno século XVI, inventou o “ensaio”, estilo literário cuja característica é a expressão de um ponto de vista pessoal e subjetivo sobre um tema; mais especificamente, um modo de escrita que orbita em torno do “eu”. Até então sem espaço de expressão para além das esferas filosófica, científica e poética, e cem anos antes de Miguel de Cervantes abrir o universo do romance com o seu Dom Quixote de La Mancha, este “eu” teve de ensaiar-se para além das tradicionais Torres de Marfim literárias. E nessa aventura algo inédito na intelectualidade de até então surge: a consideração do inferior lugar reservado à mulher enquanto fruto da deliberação masculina apenas.

Publicado em Opiniom Própria

[Rafael Silva; Laboratório Filosófico] “Quem tem medo do Lobo Mau?”, cantarolava Chapeuzinho Vermelho enquanto cruzava o bosque, não porque destemesse verdadeiramente a fera, mas, ao contrário, porque precisava se alienar desse temor para seguir caminhando. Visto que “homo homini lupus”, isto é, que o homem é o lobo do homem, como disse o dramaturgo romano Plauto duzentos anos antes de Cristo, e como repetiu categoricamente o filósofo inglês Thomas Hobbes dezenove séculos depois, os seres humanos têm medo do Lobo Mau na medida em que sabem que o maior perigo – o lobo – é o outro – humano.

Publicado em Opiniom Própria

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar