Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Sexta, 09 Fevereiro 2018 13:05

Justiça de classe e justiça de clã

Avalie este item
(1 Voto)
País: Portugal / Laboral/Economia, Institucional / Fonte: Jornal Mudar de Vida

[Carlos Completo] Como já temos afirmado (nunca é demais repeti-lo), a justiça que se pratica num estado capitalista, como Portugal, é uma justiça de classe. Nela, os trabalhadores e os pobres não podem confiar.

Segundo as leis das classes dominantes, os patrões podem continuar “legalmente” a explorar os trabalhadores e os explorados acabam geralmente a perder nos pleitos judiciais com o patronato.

Mas também há a justiça de uma ou mais fracções das classes dominantes contra outras, como actualmente acontece no Brasil. Ali, as classes trabalhadoras e os mais pobres ficam nitidamente a perder, além de, se confiarem nessa justiça, estarem, também, a alimentar o movimento fascizante a ela acoplada.

Em Portugal, o problema é análogo ou para lá caminha. Muito raramente os elementos das classes dominantes são verdadeiramente atingidos, mas aqueles que caírem em desgraça (também para dar o exemplo ou salvar as aparências), podem ter de arcar com um calvário na “justiça” e nos média do sistema, além das eventuais condenações. Há que reconhecer que isso acontece com algumas pessoas por quem não podemos ser acusados de ter simpatias. Embora alguns dos atingidos acabem por beber do próprio veneno, que ajudaram a fabricar ou manter.

O exercício de uma justiça de clã e de vingança, parece ser o que aconteceu recentemente e de forma descarada com o ministro Mário Centeno. E lá estavam os “jornalistas” do costume a promoverem e a alimentarem o “escândalo”. O ministro vendeu-se por dois bilhetes para ir ver a bola? Ridículo. A mesma justiça que “não tem formação nem meios” para defender quem é vítima da violência doméstica , como arranja tempo e meios para isto? Tragicamente significativo do que gente mesquinha e vingativa é capaz.

E andam vários magistrados atarefados (e bem amparados por certos sectores da direita) à procura de consensos legislativos e/ou organizativos para o sector judiciário, assim como de benefícios pecuniárias para os seus membros. Ao mesmo tempo que são fortes os indícios de que tal ofensiva justicialista não fica por aqui. Não será que estamos a passar por uma fase de forte pressão/chantagem do aparelho judiciário sobre o actual governo? Se o diabo não vem de um lado pode vir por outro?

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar